Dengue: como os nutrientes podem ajudar na redução dos riscos?

 A dengue é uma doença endêmica no Brasil, com a ocorrência de casos durante o ano todo, porém com um aumento do número dos casos e um maior risco para epidemias em períodos de mudanças climáticas com temperaturas elevadas e dias chuvosos.

A infecção pelo vírus da dengue Aedes aegypti, pode ser assintomática ou sintomática, é uma doença febril aguda, sistêmica e dinâmica, que pode apresentar amplo espectro clínico, podendo parte dos pacientes evoluir para formas graves, e inclusive levar a óbito.

De acordo com a literatura alguns nutrientes podem ajudar na prevenção e melhora dos sintomas da dengue devido a sua atividade antiviral, sendo elas:

Folha de C. papaya: possui alto teor de fitoquímicos como os flavonoides que possuem efeito anti-trombocitopênico (mantém os níveis de plaquetas no sangue, evitando a redução causada pela dengue em sua forma mais grave).

Quercetina: a quercetina interage com as proteinas E e NS1, NS3 e NS5 e pode interromper o ciclo de replicação viral. Inibindo a multiplicação do vírus.

Curcumina: a curcumina inibe alostericamente a protease NS2B-NS3 da dengue, interrompendo sua conformação ativa.

Própolis: em um ensaio clínico randomizado, pacientes com idade entre 18 e 45 anos com dengue hemorrágica receberam suplementação de propoelix 3 x ao dia durante 7 dias e tiveram uma recuperação mais rápida na contagem de plaquetas; um menor tempo de hospitalização e níveis de TNF-a mais baixos quando comparados com pacientes placebo.

Referências:
SHOROBI, F.M.; et al. Molecules; 28(3): 938, 2023.
LIM, L.; et al. ACS Omega; 5(40): 25677-25686, 2020.
TEH, B.P.; et al. Nutrients; 14(8):1584, 2022.
SORPY, L.; et al. Infect Drug Resist; 7: 323-329, 2014.

Artigos relacionados

Respostas

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *